A DIGNIDADE DA FAMÍLIA PORTO : ACONSELHOU A CONFISSÃO/ ENTREGOU AS VESTES DO CRIME

Diz o brocardo jurídico "o crime não passa da pessoa do seu agente". A família Porto vai além/ altiva mostra dignidade ao aconselhar a confissão de Lucas/ entregar as roupas com as quais o filho se vestia no dia que cometeu o tresloucado/ monstruoso gesto.

A pericia na indumentária deve revelar resquícios de sangue na camisa branca- a vítima reagiu promovendo escoriações no tórax/ pescoço/ braços. O sêmen do réu ainda que ressecado/ em quantidade ínfima deve estar presente nas calças de cor azul.

Os Porto dão exemplo de resistência a dor/ sem atitudes protetoras além das permitidas em lei. A contratação da defesa está definida na Constituição Federal. A dignidade de colaborar na elucidação do crime expressa que "o crime não passa do agente".

0 comentários:

Postar um comentário

 
Tecnologia do Blogger.