HOMICIDIBOL : "ERA FACADA PRA LÁ, FACADA PRA CÁ/ ERA BALA PRA LÁ, BALA PRA CÁ/ ERA UM CORPO PRA LÁ, OUTRO PRA CÁ

As cifras sobre mortes violentas no Maranhão foram erroneamente interpretadas ao longo da sua natural progressão geométrica- aquela que repete-se sempre em dobro.

O "homicidibol" foi uma técnica desenvolvida pelo radialista miranteano Geraldo Castro na gestão de Jackson Lago, que consiste em assustar o povo pelo número de mortes.

Na mais violenta, corrupta gestão de Roseana Sarney justificaram que a grande maioria dos mortos eram traficantes, brigando pelos territórios de venda das drogas.

Flávio Dino tem estudo suficiente para ver a Segurança Pública além dos manuais de Foucoult e Becaria- Vigiar/Punir/Dos Delitos/Das Penas respectivamente.

A amizade com os expoentes da Criminologia no Brasil- Luís Flávio Gomes/ Lênio Strec - podem facilitar o Primeiro Plano Preventivo/Repressivo de Combate a Criminalidade no Maranhão.

Basta de folclore/ visões distorcidas sobre a realidade da violência/ índices da criminalidade.Tem até um locutor que narra as mortes de dentro do Socorrão :

"Era facada pra lá, facada pra cá. Era bala pra lá, bala pra cá. Era um corpo pra lá, outro corpo pra cá". 

Tem ainda a teoria da "pasta de dente" do Coronel Jair Xexéo - aperta em baixo(no Rio de Janeiro) e a bandidagem sobe para o Maranhão. Chega de amadorismo.      

0 comentários:

Postar um comentário

 
Tecnologia do Blogger.