ALGUÉM ESPERAVA O MÉDICO PARA MATÁ-LO ? LUIS ALFREDO DISSE PARA OS ALUNOS QUE QUE IA EM CASA, MAS VOLTARIA RAPIDINHO

Um curioso/importante detalhe- um telefonema - pode ser a chave para a elucidação do bárbaro crime do médico Luís Alfredo Neto Guterres. As informações dos blogueiros miranteanos/caridosos são desencontradas.

Os "caridosos" afirmam que Luís Alfredo morreu na porta de casa vítima de um latrocínio- dois telefones celulares? Os miranteanos atestam que o médico foi atingido mortalmente dentro a sua residência no Jardim Eldorado.

Tanto os miranteanos como os caridosos informam que o médico reagiu para defender  o filho. Todavia as contradições persistem quanto ao local/ forma do latrocínio. 

"Caridoso" diz que o médico inicialmente foi golpeado com faca. "O filho viu a cena e foi para cima do assaltante, em seguida outro assaltante disparou contra o médico mortalmente.

O "miranteano" diz que o médico foi rendido, levado para dentro de casa. Um dos assaltantes subiu no 2º andar e trouxe o filho de Luís Alfredo sob a mira de arma. Luís Alfredo reagiu e foi atingido com um tiro na região cervical. 

O médico Luís Alfredo Neto Guterres deixou o Hospital Carlos Macieira, onde lecionava aulas práticas para 6 alunos, comunicando : "vou em casa, mas volto rapidinho". Foi barbaramente assassinado.

O que motivou seu retorno a sua residência? Luís Alfredo Neto Guterres recebeu algum telefonema o atraindo para o local do crime? Qual a razão/ interesse nos dois celulares da vítima? 

Antes de ser vítima de crime de encomenda o blogueiro Décio Sá desconfiou e fez a seguinte postagem :

Suposto pistoleiro aborda deputado em hospital

Um caso muito estranho aconteceu ontem pela manhã envolvendo do deputado Carlinhos Florêncio (PHS).
O parlamentar deixava o Hospital Geral (Centro de São Luís) com o filho onde foi visitar um paciente quando um homem começou a se aproximar por trás.

Carlinhos Florêncio foi abordado no Hospital Geral
O deputado não ligou pensando tratar-se de mais um eleitor. No entanto quando ele estava bem próximo, o filho do político resolveu saber do que se tratava.
- O que o senhor quer? – disse o filho de Carlinhos Florêncio.
O homem então puxou um envelope, tirou uma foto e perguntou, apontando para o deputado:
- Esse aqui (da foto) é esse aí (Carlinhos Florêncio)? – quis saber o estranho sem saber que estava falando com o filho do parlamentar.
- Não é ele não – respondeu;
- Ia matando o homem errado – retrucou o suposto pistoleiro exibindo uma arma na cintura e saindo rapidamente do local.
Como a pessoa da foto mostrada pelo estranho tinha um cavanhaque, o filho do deputado disse acreditar que se tratava do médico Luiz Alfredo Guterres, diretor do Hospital Geral e também ex-secretário de Saúde. Até recentemente ele usava cavanhaque.
Depois de deixar o hospital, Carlinhos Florêncio ligou para o diretor contando a história. O filho do político não conhece Luiz Alfredo pessoalmente.
A polícia está investigando o caso.

2 comentários:

Anônimo disse...

Amigo cece só alguém muito idiota e com raciocínio Tasco não conclui que nesse caso houve excesso de pré meditação. Favas contadas...

Anônimo disse...

E começou a queima de arquivo da oligarquia.

Postar um comentário

 
Tecnologia do Blogger.